segunda-feira, 15 de novembro de 2010

Crianças bilíngues e o valor do bilinguismo

No meu último post falei sobre o valor das línguas, um ingrediente essencial do sucesso do bilinguismo. No entanto, a fórmula do sucesso tem mais um ingrediente: a valorização do bilinguismo pela própria criança.

É importante que uma criança bilíngue tenha ela mesma consciência dos benefícios do bilinguismo. Esses benefícios são muitos, e podemos mencionar aqui alguns exemplos.

O bilinguismo infantil traz certas vantagens cognitivas, ou seja, ele promove o desenvolvimento intelectual da criança de várias maneiras, como por exemplo desenvolvendo o entendimento abstrato e a capacidade de criar novos conceitos. A criança tende a ser mais criativa, tem melhor desempenho acadêmico, maior habilidade em atividades que envolvam matemática, lógica e comunicação. Aprender mais de uma língua na infância também facilita o aprendizado de outros idiomas, pois desenvolve na criança a consciência da estrutura e do funcionamento das línguas. Há também benefícios para o seu vocabulário, fonologia, sintaxe e leitura.




Quando seu filho tiver um pouquinho de maturidade, tente passar para ele a idéia de que o bilinguismo lhe traz grandes vantagens e que ele é privilegiado por ter a oportunidade de aprender dois (ou mais) idiomas e conhecer duas (ou mais) culturas de uma maneira tão natural. Explique que saber português além do idioma local vai ajudar em várias matérias na escola e que vai fazer com que seja muito mais fácil aprender outras línguas no futuro. Fale de forma positiva do fato de certas pessoas serem multilíngues, especialmente as famosas e bem-sucedidas.

Enfatize as vantagens de falar uma língua latina, aponte as similaridades com outros idiomas, como italiano, francês e espanhol. Alguns anos atrás minha filha chegou da escola um dia e pediu para me mostrar uma coisa que tinha descoberto. A sua turma estava tendo aulas sobre dinossauros. Naquele dia eles tinham aprendido sobre o Oviraptor, que roubava os ovos dos outros dinossauros, e ela tinha entendido que era exatamente esse o significado do nome dele:  “Mamãe, o nome dele quer dizer ovo/raptar, roubar ovos!!”. Ela tinha acabado de entender que palavras em várias línguas têm raiz latina, que geralmente é igual à raiz da palavra em português. Cosequentemente ela desenvolveu um vocabulário em inglês muito mais sofisticado que o de seus amiguinhos monolíngues. Hoje ela é capaz de deduzir o significado de palavras que para a grande maioria das crianças inglesas da idade dela são um mistério, e tem total consciência da vantagem de ter essa habilidade, que é decorrente do fato de ela ser fluente em português.

Todas as vezes que viajamos a países de língua latina eu peço a minha filha que preste atenção e veja se entende alguma coisa do que as pessoas dizem. Desde pequena ela sempre consegue pegar uma palavra aqui, outra ali. Também procuro ensinar algumas expressões na língua local, como “até logo” e “obrigada”, que geralmente ela passa a usar com sucesso durante a viagem. Ela não vê línguas estrangeiras como barreiras; muito pelo contrário, tem interesse em aprendê-las, pois tem consciência das vantagens do multilinguismo. Eu demonstro muito orgulho pelo bom ouvido dela para línguas e explico que isso é consequência de ela já ser trilíngue.

Sempre demonstre orgulho do bilinguismo de seu filho, mas evite duas coisas:
1.  Não peça que seu filho demonstre suas habilidades para outras pessoas. Nunca.
2.  Não use seu filho como intérprete, mesmo que seu inglês não seja muito bom. Isso pode fazer com que ele o veja como incapaz. 

Internacionalismo

Comunicação é crucial para a valorização e compreensão de outras culturas. Falar mais de um idioma permite à criança entender melhor o que eu chamo de internacionalismo (não gosto de usar a palavra “multiculturalismo”, pois o termo foi sequestrado pelo politicamente correto).  A criança vai perceber que o mundo é um lugar onde existem muitos países e que em cada um desses países as pessoas têm linguas, tradições e costumes próprios, e o que parece ser diferente para uma pessoa na Inglaterra pode ser muito normal para alguém em outro país. No mundo globalizado em que vivemos, existe uma enorme vantagem em entender essas diferenças, e a criança deve estar ciente disso. A pessoa que tem raízes internacionais e conhece o estilo de vida de diversos países entende essas diferenças e pode desfrutar das coisas boas de várias culturas.  

Os pais devem evitar criticar os costumes do país de residência, pois é bom para a criança ver que apesar de serem estrangeiros eles estão bem adaptados ao estilo de vida local, ou seja, que o internacionalismo funciona. Demonstre sempre tolerância e respeito às diferenças - as crianças aprendem principalmente pelo exemplo. Isso pode ajudar a evitar que depois de uma certa idade seu filho rejeite suas raízes internacionais e passe a falar apenas a língua do país de residência, como ocorre com alguns adolescentes

Também é importante mencionar constantemente exemplos positivos de pessoas famosas, bem sucedidas ou que a criança admire que também tenham uma herança internacional. Por exemplo, o Vice-Primeiro Ministro britânico, Nick Clegg, é somente ¼ inglês: sua mãe é holandesa nascida na Indonésia e seu pai também é filho de estrangeiros. Nick cresceu num lar bilíngue, com o pai falando inglês e a mãe holandês. Hoje ele fala inglês, holandês, espanhol, francês e alemão – e é casado com uma espanhola.  Preste atenção, pesquise. Quando encontrar um bom exemplo de internacionalismo não deixe de mencionar para seu filho. Faça isso já na próxima vez que Nick Clegg aparecer na televisão.

Posts futuros

As sugestões neste e no post Crianças bilíngues e o valor das línguas obviamente não são exaustivas. Artigos futuros vão trazer mais idéias de formas de se valorizar a língua portuguesa e o bilinguismo, mas as sugestões que estão nestes dois posts provavelmente são um excelente começo.


Copyright © Claudia Storvik, 2010. All rights reserved.


Veja também Crianças bilíngues e o valor das línguas



.

13 comentários:

Claudia disse...

Uma amiga me indicou tua postagem, deixei este comentário no NY with kids também. Eu acho que sou um grande exemplo de tudo o que vc escreveu. Também me chamo Cláudia, também sou casada com um noruguês e também crio crianças trilingues já indo para a quarta língua, o espanhol.

Mas diferentemente de vc, vivemos na Noruega e quando conheci meu marido ele estava trabalhando no Brasil e fala português mal pacas por isso nosso relacionamento ficou todo em inglês. Vivemos na Noruega e as crianças de 10 e 11 anos falam norueguês, português e inglês fluente. O inglês é a língua que falamos mas também é a língua da escola pois eles vão para uma escola britânica. Só brincam em norueguês que é a principal língua aqui em casa, a língua do país, mas não comigo. Eles falam com o pai em norueguês, com sotaque local, falam como noruegueses, apesar de nascidos no Brasil e o português é comigo, é minha bandeira e meu direito. Ou seja, não abro mão de falar português de jeito nenhum, é o meu conforto pessoal e é importante p/ mim diante do fato de estar fora de casa há tantos anos.

Eu falo norueguês fluente mas a língua que eu e meu marido falamos é inglês, por hábito, por história e porque eu não dou todo o poder para ele não! Eu amo meu marido, vivo aqui, falo norueguês mas exijo que ele fale português comigo, e ele se esforça para falar português e enquanto o português dele não segurar uma conversa séria eu não falo norueguês. Nossa relação começou no Brasil e por isso ele curte falar português mas é difícil para ele estando aqui.

Enfim, o amor é lindo em todas as línguas mas a relação de forças típica entre homem e mulher continua e nos momentos de tensão é a minha língua ou o inglês que me protegem. O que ajuda é que ele entende tudo em português mas na hora dele falar se embola...

Enfim, concordo com tudo o que vc escreveu e diria que crianças não tem problema algum para aprender 3 ou 4 línguas ao mesmo tempo, nós adultos é que temos. Eventualmente elas podem levar mais tempo para escrever corretamente e para ler com desenvoltura em todas as línguas, mas quando deslancham a coisa vai sem problemas. Eu vi isso aqui em casa, que as fichas das línguas escritas cairam um pouquinho devagar mas aos poucos elas foram se encaixando e tudo fez sentido para eles...

Enfim, legal teu blog! Também tenho blogs, mas são noutras praias...

Abraços,

Cláudia

Claudia Storvik disse...

Olá Claudia! Muito, muito obrigada pelo comentário. Quantas coincidências! Vou entrar em contato com você por email. O seu exemplo é super importante, quero saber mais! Hilsen til hele familien fra meg, min mann og vår datter også, Claudia

Luciana disse...

Oi Claudia,

Cheguei aqui a partir do seu excelente post no NY with Kids e fiquei fascinada com sua família multilingue. Bom, aqui em casa as coisas são bem mais fáceis, já que somos um casal de brasileiros morando no Canada. Assim, falamos português o tempo todo dentro de casa e inglês ou espanhol com os amigos. Sei que as chances são muito grandes do nosso filho crescer falando inglês e português (e quem sabe francês) fluentemente, mas já vi também alguns exemplos de filhos que entendem a língua dos pais mas só responde na língua falada na escola.

E fiquei curiosa pra saber... Vc chegou a ensinar a sua filha a ler e escrever em português também?

Bom, parabéns pelo seu blog. Com mais tempo vou voltando pra ler seus posts, pois esse assunto me interessa muito.

Abraços,

Luciana

2 Worlds disse...

Adorei conhecer os seu blog, isso e um pensamento constante na minha cabeça, se meu filho vai querer falar Português principalmente depois que for pra escola, adorei ver um blog que fala sobre isso e nos ajude, ele agora nem fala ainda esta com 20 meses, não sabemos se o atraso é devido as 2 linguas, moramos nos EUA mais o fato de eu e meu marido sermos brasileiros ajuda eu acho.

Claudia Storvik disse...

Olá Luciana. Obrigada pelos comentários. Sugiro que você leia os artigos “Crianças bilíngues e o valor do bilinguismo” e “Crianças bilíngues e o valor das línguas”. Minha filha lê e escreve em português sim e vou contar como aconteceu num post futuro. Seus filhos ainda são muito novos prá você se preocupar com isso. Dei uma passadinha no seu blog e adorei. Venezuela, Austrália, Canadá – você é mais globetrotter do que eu! Um abraço, Claudia

Claudia Storvik disse...

Olá, 2 Worlds. Obrigada pelo comentário e por se tornar seguidora. O fato de você e seu marido falarem português ajuda sim - muitíssimo. E a criança falar mais tarde às vezes acontece, apesar de não ter sido o caso conosco. Um abraço, Claudia

Bonina Moran disse...

Claudia,
estou adorando seu blog porque tem me inspirado bastante, assim como voce. Desde ontem comecei a falar com meu filho mais em portugues e, apesar de ser dficil no inicio, vou continuar. Ele ainda nao quer falar portugues mas espero que dentro em breve perca o bloqueio.
beijo da Bonina

Claudia Storvik disse...

Ola Bonina, seja bem-vinda! Fico feliz que voce esteja gostando e desejo boa sorte com seu filho. Perseveranca e a alma do negocio. Um abraco, Claudia

Lila Rosana disse...

Olá! Acabei de chegar por aqui por indicação do mundo pequeno. Adorei conhecer este espaço e serei leitora assídua.
Obrigada!
Lila

Claudia Storvik disse...

Ola Lila, seja muito bem-vinda e obrigada por virar seguidora. Fiquei muito feliz com a recomendacao la no Conversando com os pais, que por sinal adorei. Um abraco, Claudia

Familia Bampi disse...

Claudia, que pena que descobri seu blog maravilhosos so agora, estou desesperada e preciso de ajuda, vim para os USA gravida, nossos planos era estudar por dois anos e voltar para o brasil (m eu marido e brasileiro tb), tive meu bebe e comecamos a ensinar o ingles ja que voltariamos pro Brasil e ele naturalmente aprenderia a lingua, enfim, hoje ele tem quase 4 anos, fa;la quase nada de portugues, muito bem o ingles, minha filha de 2 anos fala os dois, totalmente misturado e responde melhor aos comandos em ingles, quero muito falar so portugues mas e bem dificil eles responderem porntamente, como eu e meu marido so falamos portugues entre nos, eles ate entendem, preciso de ajuda, hoje nao temos mais planos definidos de quando voltamos e queremos que eles sejam fluentes no portugues, se tiver alguma dica agradeco, atualmente tento falar parte do dia, como de manha so portugues, mas acho qu nao esta ajudando, qualquer ajuda e valida, um abraco Cynthia

Claudia Storvik disse...

Ola Cynthia. Sugiro que leia os posts Bilinguismo e o valor das linguas (http://filhos-bilingues.blogspot.com/2010/11/criancas-bilingues-e-o-valor-das.html), 23 dicas sobre bilinguismo (http://filhos-bilingues.blogspot.com/2011/03/23-dicas-sobre-bilinguismo.html) e Bilinguismo passivo – Quando a criança se recusa a falar português (http://filhos-bilingues.blogspot.com/2011/01/bilinguismo-passivo-quando-crianca-se.html). Siga as estrategias sugeridas nesses posts. Como seus filhos tem apenas 4 e 2 anos e tanto voce como seu marido falam portugues, voces tem tudo pra vencer esse desafio. Boa sorte. Um abraco, Claudia

Anônimo disse...

Ola!!
Achei o seu Blog atraves do Pinterest, quando estava pesquisando formas de ensinar o Portugues para minhas filhas. Lendo algumas das sua publicacoes, percebi que falhei completamente!! Eu nao fui diligente ao ensina-las a minha lingua materna, e hoje, o Portugues delas consiste em cores, numeros, tchau, oi, obrigada e por favor! Estou tentando recuperar o tempo perdido, e a minha vantagem 'e que elas estao empolgadissimas para saber mais Portugues, devido 'a nossa ultima viagem ao Brasil. Gostaria de saber se voce tem outras dicas que poderao me ajudar nessa aventura! Elas tem 10, 8, e 6 anos. Moramos no Centroeste dos EUA, com uma comunidade minuscula de brasileiros por perto(portanto, sem escolinhas!), e o meu marido nao fala portugues. Por onde eu comeco?
Grata,
Andressa

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...