segunda-feira, 17 de janeiro de 2011

Como falar com seu bebê e estimular o desenvolvimento da linguagem

Em posts anteriores em que trato do desenvolvimento da linguagem, menciono que é muito importante que os pais falem bastante com a criança. Uma das causas mais comuns de atraso no desenvolvimento da fala, tanto de crianças bilíngues como de monolíngues, é simplesmente a falta de estímulo.

A seguir, algumas dicas de como falar com bebês de modo a estimular a linguagem.



Você não precisa falar de filosofia com o bebê. Fale sobre as coisas do dia a dia que estão à sua volta. Por exemplo, fale sobre o que você vê quando estão no supermercado ou sobre o que estão fazendo quando está trocando a roupa dele, ou na hora das refeições; recite uma parlenda quando estiver trocando uma fralda. 

Evite usar linguagem ‘tatibitate’, como ‘dedera’ ao invés de ‘mamadeira’, ‘papar’ ao invés de ‘comer’, e assim por diante. O uso desse tipo de linguagem faz com que a criança tenha que aprender as palavras duas vezes (a forma errada primeiro e depois a forma correta) e pode confundí-la. Evite também se referir aos objetos pelo som que eles fazem, como ‘vrum-vrum’ para carro. Use frases curtas, simples e claras, mas com linguagem correta. Se outra pessoa às vezes toma conta de seu filho, você pode pedir que adote as mesmas regrinhas.

Procure falar com o bebê principalmente nos momentos em que ele estiver atento e relaxado. Tentar conversar durante crises de choro ou períodos de irritação provavelmente não vai dar bons resultados. Em casa, desligue a televisão e o rádio quando estiver conversando com seu bebê, para não haver distrações.

Especialistas concordam que a criança aprende melhor a linguagem quando você:

1.         diz o nome das coisas,
2.         descreve as coisas,
3.         explica as coisas e
4.         dá instruções.

Como fazer isso? Por exemplo, quando for ao supermercado com o bebê, coloque seu filho no carrinho de frente para você, para que ele possa ver seu rosto quando fala com ele. Vá dizendo o nome dos ítens que põe no carrinho: ‘pão’, ‘leite’, etc. Descreva os ítens, ‘o leite é branco’, ‘o pão está cheiroso’. Você também pode descrever a quantidade dos ítens (‘dois pães’) e compará-los (‘a melancia é grande e o limão é pequeno’). Vá descrevendo o que estão fazendo, como ‘agora vamos para o caixa pagar', 'vamos colocar as sacolas no carro’. Para bebês um pouco mais velhos você pode dar instruções como ‘segure este pacote’ ou ‘coloque a maçã no saquinho’.

Na cozinha, diga o nome, compare e descreva os objetos (‘o prato é azul e a xícara é branca’), explique as coisas (‘a gente coloca a comida dentro do prato’), fale sobre o que estão fazendo (‘vamos esquentar o leite’). Dê instruções como ‘Dê a caneca prá mamãe’.

A hora do banho é ótima para conversar com o bebê e para vocês relaxarem juntos. Como no supermercado e na cozinha, descreva e compare os objetos (‘sabonete cheiroso’, ‘patinho amarelo’, ‘a água está quente’), as partes do corpo, descreva quantidades (‘um nariz’, ‘dois olhos’) e fale sobre o que estão fazendo (‘agora vamos lavar os pés com o sabonete’, ‘vamos secar o Paulinho com essa toalha macia’). Finalmente, dê instruções como ‘levante o braço’, ‘pegue o patinho’.

Quando estiverem brincando, trocando de roupa, comendo, use as mesmas técnicas para descrever, comparar, explicar o que estão fazendo e dar instruções simples.

Parlendas

Assim como a música (veja Música para desenvolver a linguagem de bebês, crianças e adolescentes), as parlendas possuem ritmo, algo que os bebês adoram. Elas também são um ótimo instrumento para pessoas que têm dificuldade de falar com bebês com naturalidade. Pesquisadores observaram que bebês parecem prestar mais atenção em parlendas e músicas do que na fala normal, devido ao ritmo.


Da mesma forma que deve fazer quando cantar para o bebê, ao recitar parlendas olhe para ele. Faça gestos para acompanhar as parlendas, use diferentes entonações, use pausas para criar algum suspense. Quando o bebê começar a balbuciar, deixe que ele tente recitar as parlendas junto com você. E não esqueça de demonstrar a sua satisfação pelo fato de ele o estar acompanhando. 

Abaixo, algumas parlendas que você pode recitar:

Um, dois, feijão com arroz, 
Três, quatro, feijão no prato, 
Cinco, seis, falar francês, 
Sete, oito, comer biscoito, 
Nove, dez, comer pastéis. 

Eu sou pequenininha, 
Da perna grossa, 
Vestido curto, 
Papai não gosta.

Batatinha quando nasce, 
Se esparrama pelo chão, 
Mamãezinha quando dorme, 
Põe a mão no coração. 

Palminha de Guiné 
Pra quando papai vier, 
Mamãe dá a papinha, 
Vovó bate cipó, 
Na bundinha do nenê. 

Dedo mindinho, 
Seu vizinho, 
Pai de todos, 
Fura bolo, 
Mata piolho.

Bate palminha, bate
Palminha de São Tomé,
Bate palminha, bate
Prá quando papai vier

Livros
Como já mencionei em vários posts anteriores, os pais devem ler para a criança desde a mais tenra idade. Com bebês use livros com ilustrações e livros com texturas variadas. Coloque o bebê no seu colo e olhem juntos para o livro. Deixe o bebê tocar no livro, virar as páginas. Fale sobre as ilustrações, diga o nome dos objetos, descreva, compare, como explicado acima.

Se o bebê tentar imitar uma palavra que você disse, mostre satisfação e repita a palavra: ‘Isso mesmo, a bola! Muito bem!’. Mas não force a criança a repetir nada – ela vai fazê-lo naturalmente quando estiver pronta.

Leve sempre um dos livros favoritos do seu filho na bolsa, e leiam juntos quando tiverem uma chance, como por exemplo na sala de espera do pediatra.

Finalmente
Conforme mencionado acima, o ritmo do desenvolvimento da linguagem depende dos estímulos que a criança recebe. Se a criança aponta para um objeto que quer alcançar e é atendida prontamente pelo adulto, sem que precise dizer o nome do objeto, ela vai demorar mais para desenvolver a fala. Portanto, quando seu filho estiver pronto, dê-lhe oportunidades para usar a linguagem oral.

E finalmente, a dica mais importante: divirtam-se juntos. Aproveitem essa fase deliciosa.



Copyright © Claudia Storvik, 2011. All rights reserved. 




3 comentários:

Liliane Arend disse...

Olá, estamos morando em Londres e meu pequeno tem 2 anos. Minha maior dúvida é sobre a apredizagem do outro idioma.JP é bem tagarela fala tudo, agora começou a colocar as palavras no plural uma fofura, mas fico imaginando ele na nursery onde não entende nadica de nada do que se é falado e não percebo uma dinâmica das professoras em ensinar (com gestos ou qq outra coisa) como são as palavras em inglês. como fazer? vc tem alguma dica? bjos e obrigada

Claudia Storvik disse...

Olá, Liliane. O JP parece estar tendo um excelente desenvolvimento linguístico e provavelmente não vai ter problema em aprender o inglês rapidamente. Você deve continuar falando português com ele. Você não menciona quantas horas por semana ele frequenta a escolinha, mas quanto mais horas forem, mais rápido ele vai aprender. Tenho uma sobrinha que passou pela mesmíssima experiência aos 3 anos de idade e em poucos meses estava falando inglês perfeitamente. A fala é apenas um dos meios que crianças da idade do JP usam pra se comunicar, existem muitos outros. Além disso, aos 2 anos muitas crianças ainda nem falam, então possivelmente alguns dos coleguinhas ingleses dele vão estar numa situação parecida. As professoras, apesar de não tentarem explicar palavra por palavra, com certeza envolvem o JP nas atividades da turma, e é isso que importa. Muitas dessas atividades devem visar exatamente desenvolver a linguagem – e no caso do JP vão ajudá-lo a aprender o inglês. Apesar disso, se você está preocupada sugiro que converse com as professoras. Um abraço, Claudia

Dani disse...

Claudia, mais um artigo delicioso. Vou colocar em pratica.
abraço!

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...